O que eu aprendi sendo imoral – Um relato sobre a Alma Imoral

a alma imoral

“Quantas pessoas poderíamos ter tirado ‘para dançar’ na vida e não o fizemos por ofertar sacrifícios ao nada? Sacrifício ao deus da timidez, ao deus da vergonha, ao deus do medo de ser rechaçado e assim por diante.” Pág. 59 do livro “A alma Imoral” de de Nilton Bonder.

Sabe quando nós deixamos de fazer algo só porque a nossa moral fala no ouvido: “não”? E quando a vontade se torna maior e a moral dessa vez grita “Não!…ou encare as consequências” e ainda quando fazemos [ato imoral], e a moral diz no ouvido com uma voz rouca e peçonhenta: “veja o que você fez, sujo pecador”. Esse último é pior ainda porque ela gosta de ficar repetindo nos momentos mais inoportunos: “Sujo”, “pecador”, “errado…”

  • Este artigo foi útil para você?
  • Sim   Não

Avaliação Mundo Interpessoal:

Excelente

Summary:

100



Comentários do Facebook

Deixe uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado Os campos obrigatórios estão assinalados por um asterisco. *