O que são novos radiantes de chuva de meteoros?

Imagine que triste seria se a anatomia do nosso corpo não permitisse que olhássemos para o céu – para o espaço que está sobre nossas cabeças, nesse aspecto, sinto muita pena dos porcos que realmente não podem fazer isso.

Para nossa sorte podemos sim olhar para o céu, ver, descobrir e constatar coisas maravilhosas sobre a vida. Eu acredito ser fundamental para as relações interpessoais, entender nem que seja um pouco sobre astronomia, porque isso faz parte do olhar lúcido, uma das características das pessoas interessantes onde falo neste artigo.

Qualquer pessoa que tem a sensibilidade de parar por um instante para olhar uma estrela no céu, depois de passar o dia todo dentro um escritório fazendo um trabalho estressante, tem uma percepção significativa sobre a vida capaz de conduzi-la por caminhos extraordinários.

Mas sem mais delongas vamos ao que interessa.

O que são meteoros?

Para entender o que são radiantes, nada mais adequado do que primeiro entender e definir que são meteoros. Meteoros são qualquer fenômeno que acontece na atmosfera terrestre. A chuva inclusive é um meteoro; Se você duvida disso, me responda: Qual o nome da ciência que estuda a chuva?

Meteorologia, claro.

Chuvas de meteoros

As chuvas de meteoros são um fenômeno luminoso e lindo que acontece quando um conjunto de meteoroides que surgem quase simultaneamente parecendo provir na mesma região do céu, dando a impressão de “chuva de estrelas.”

O que causa uma chuva de meteoros?

Uma chuva de meteoros é composta em grande parte por vários meteoroides, que são objetos presentes no espaço bem menores que um asteroide e muito maiores que átomos e moléculas. A maioria dos meteoroides que causam as chuvas de meteoros que ocorrem em nosso planeta são provenientes de cometas.

O que são cometas?

Os cometas são grandes pedras compostas por elementos químicos voláteis, poeiras e pedras, que estão presos gravitacionalmente ao sol, ou seja cada um deles possui uma órbita específica que determina o tempo que leva para dar uma volta em torno do sol. Suas órbitas são elípticas e por conta disso, dependendo do período em que se encontram, eles se aproximam ou se afastam do sol.

Tudo acontece quando o cometa se aproxima do sol. A temperatura aumenta e começa a transformar os elementos químicos que estão presentes do estado sólido, talvez líquido, para o estado gasoso. Essa reação acaba expelindo poeira e pedras que estão dentro dele, deixando um rastro para trás, o que chamamos de cauda.

 

A ilustração logo abaixo representa na cor laranja o rastro de “sujeita” composto por poeira, partículas e meteoroides deixado pelo cometa. A chuva de meteoros acontece quando nosso planeta, quando está seguindo tranquilamente sua orbita se depara com essas partículas de sujeira.

Então, toda vez que essas partículas entram na atmosfera e queimam, formam os rastros luminosos que conhecemos como meteoros.

Professor Eder R. Canalle

O que são radiantes de meteoros?

Radiantes são a direção do céu, o local (constelação) de onde os meteoros parecem se originar. Por exemplo: a chuva de meteoros que parece provir da constelação de leão se chama Leônidas, a que parece provir da constelação de Perseus se chama Perseidas, e assim por diante.

Outra informação importante é o THZ (taxa horário zenital), que são o número de meteoros que um observador poderá ver por hora. Sobretudo, descobrir novos radiantes significa descobrir novas direções onde acontecem chuvas de meteoros.

Leônidas 1883

Leônidas foi a chuva de meteoros mais intensa nos últimos séculos, ocorreu entre os dias 10 a 13 de novembro de 1833, onde a THZ era de 4 meteoros a cada segundo. As reações  foram as mais diversas possíveis: “o dia do julgamento final” “estrelas estão caindo” “gritos e desespero”.

Essa chuva pode ser observada todos os anos por volta de 17 de Novembro, claro que com um número bem menor de meteoros, cerca de 15 por hora.

Os novos radiantes de chuva de meteoros

Atualmente temos 6 principais chuvas de meteoros no hemisfério sul. A novidade é que a BRAMON (Rede Brasileira de Monitoramento de Meteoros) descobriu dois novos radiantes no Brasil.

August Caelids na constelação de Cinzel. Segundo a BRAMON, o dia em que temos a maior taxa de THZ é 5 de agosto pelas 3 da manhã.

Cássio Barbosa

Epsilon Gruids, na constelação do Grou. Segundo a BRAMON, o dia em que temos a maior taxa de THZ é na madrugada do dia 11 para 12 de junho, fica bem próximo da estrela Fomalhaut.

 

Cássio Barbosa

Como localizar?

Baixe o aplicativo “Star Chart” em seu celular e pesquise por: “Sculptor’s Chisel” e “Fomalhaut” respectivamente, depois é só ficar atento a data e hora certa e curtir o espetáculo.

Como observar uma chuva de meteoros?

Nesse site www.galeriadometeorito.com você encontra uma série de dicas importantes para observar uma chuva de meteoros, quem sabe você consiga ver uma chuva dos novos radiantes, boa sorte!

Fonte: http://www.bramonmeteor.org/bramon/990-2/