Antes de tudo é importante lembrar que a ansiedade, por mais difícil que seja, é de fato uma emoção humana básica, completamente normal. Todos nós experimentamos ansiedade em situações que antecipam ameaça ou perigo, o que pode incluir as mais diversas situações.

No texto “55 maneiras de dizer o que você está sentindo” foi explicado a diferença entre emoção e sentimento, em resumo:

As emoções são reações neurofisiológicas desencadeadas por um estímulo externo ou interno (as emoções são físicas). Os sentimentos são uma autopercepção de emoções específicas, sendo uma expressão subjetiva de emoções (os sentimentos são mentais)

Nesse sentindo, a ansiedade possui a função de nos proteger. É uma habilidade de sobrevivência que nos manteve salvo de perigos ao longo de milhares de anos. Embora os perigos atuais sejam bem diferentes dos perigos enfrentados por nosso antepassados milenares, a função da ansiedade permanece a mesma.

O ponto principal que envolve essa questão envolve a frequência e a intensidade de como experimentamos a ansiedade. Embora a ansiedade frente a um grande evento possa ser algo normal, acordar sem motivo, com uma sensação de pânico, pavor e pensamentos ruminantes, não é.

Se suas preocupações e tensões ocorrem com muita frequência e por longos períodos de tempo, ou se você sente que elas estão começando a interferir em sua vida cotidiana, você pode estar sofrendo de um distúrbio de ansiedade.

Os transtornos de ansiedade são muito mais comuns do que você imagina, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil tem o maior número de pessoas ansiosas do mundo: 18,6 milhões de brasileiros (9,3% da população) convivem com o transtorno.

A ansiedade vêm em várias formas, intensidades diferentes e impactam as pessoas de maneiras diferentes. Algumas pessoas identificam facilmente onde tudo começou, já outras, a ansiedade vem aparentemente do nada. O que existe de comum em todos esses casos é que se não for corretamente tratada, pode agravar e tornar a vida debilitada.

Mas uma vida livre de uma ansiedade (que faz mal) está ao nosso alcance. Com o apoio certo, é possível recuperar-se completamente e começar a aproveitar a vida sem as crises e sofrimento que a ansiedade causa.

Conheça como a terapia pode ajudar a tratar a ansiedade:

1. Desenvolver mecanismos de enfrentamento mais saudáveis

Durante a luta contra a ansiedade, muitos acabam desenvolvendo mecanismos de enfrentamento prejudiciais para lidar com ela. Na maior parte das vezes, esses mecanismos de enfrentamento alimentam a ansiedade em vez de diminuí-la. Nosso instinto natural geralmente segue a tendência de fugir da ansiedade ou reprimir os pensamentos e sensações desagradáveis ​​que a acompanham.

Quando tentamos diminuir nossa ansiedade e ignorá-la, acabamos dando mais poder a ela. O truque para lidar com a ansiedade é se aproximar exatamente daquilo que instintivamente não queremos fazer. Na terapia, você aprenderá muitas técnicas diferentes para lidar com pensamentos negativos e sensações desconfortáveis ​​à medida que surgirem.

2. Identificar seus gatilhos

Muitas vezes é difícil identificar a(s) causa(s) da ansiedade. A terapia oferece espaço para dar um passo para trás e realmente considerar quais são os gatilhos. Se olharmos atentamente, geralmente descobriremos que existem gatilhos específicos que provocam nossa ansiedade.

Sua ansiedade acontece em resposta a determinadas pessoas, lugares ou situações? A ideia de mudança pode ser assustadora, mas às vezes é exatamente isso que precisamos para construir um espaço saudável. Explorar e identificar seus gatilhos na terapia pode ajudar você a entender o que está causando sua ansiedade e fornecer o suporte para fazer as alterações necessárias em sua vida.

3. Proporcionar repertório

Podemos supor que nosso estresse e ansiedade sejam causados ​​por fatores externos, como preocupações financeiras ou dificuldades de relacionamento. Embora os gatilhos da ansiedade possam ser causados ​​por fatores externos, até certo ponto, a maneira como reagimos a esses gatilhos é que vai definir a intensidade da ansiedade e entre outros efeitos.

Supondo uma mesma situação, algumas pessoas poderiam reagir tranquilamente, enquanto outras seriam soterradas pelo medo. Interpretamos o mundo à nossa volta de maneira diferente. Uma das principais maneiras pelas quais a ansiedade é capaz de manter seu domínio é através da capacidade de distorcer nosso pensamento – e nossa percepção da realidade.

Na terapia, seu terapeuta trabalhará (com você) para identificar e desfazer essas distorções cognitivas e desafiar a validade de pensamentos difíceis. Nem todos os pensamentos refletem a realidade e, assim que percebemos isso, podemos aprender a nomeá-los e a partir daí, verificar o que fazer com eles.

4. Criar autoconsciência

Seu terapeuta trabalhará (com você) para aumentar sua autoconsciência e assegurar que, embora seus sintomas sejam desagradáveis, eles não são anormais. Eles ajudarão você a entender por que sua ansiedade acontece e também como ela se manifesta. Você pode ser incentivado a manter um diário de humor, onde pode anotar o que acontece quando sente ansiedade, para aprender mais sobre os pensamentos e sentimentos que ela desencadeia. Quanto mais autoconsciência nós construímos, mais habilidosos nos tornaremos em antecipar a ansiedade e em implementar as estratégias de enfrentamento necessárias imediatamente.

5. Compreender e gerenciar os sintomas físicos da ansiedade

A ansiedade pode nos deixar presos em um estado permanente de luta ou fuga e quando isso acontece, passamos da respiração lenta e profunda para a respiração superficial e rápida. Quando respiramos adequadamente, 70% das toxinas do corpo são liberadas. A respiração rápida e ansiosa pode nos deixar presos em um ciclo vicioso, em que começamos a respirar rapidamente, porque estamos ansiosos, o que significa que absorvemos menos oxigênio no corpo – o que, por sua vez, aumenta nossa ansiedade. Na terapia, você aprenderá técnicas de respiração e relaxamento que o ajudarão a se distanciar de sua ansiedade e impedirão que ela se mantenha, evolua ou se transforme em um ataque de pânico.

Conclusão – Por que é importante procurar ajuda para tratar a ansiedade?

Os transtornos de ansiedade causam desgastes físicos e mentais, podendo afetar seu sono, níveis de energia, capacidade de trabalhar e até mesmo seus relacionamentos. A ansiedade também pode diminuir sua imunidade, tornando-o mais suscetível a certas condições físicas. Obter o suporte certo é fundamental, não apenas por esses motivos, mas para que você possa viver plenamente.

Post Atualizado em: